Técnicas de Scrap # 7 – Scrap Híbrido

Nossa, que saudades dos posts de scrap!! Mas eu não podia deixar de falar sobre um assunto pelo qual me apaixono cada dia mais, que é o scrap híbrido. Muita gente se assusta e vem me perguntar “O que é isso de híbrido??” 
Bem, imagino que vocês já tenham ouvido falar de scrap digital, onde em vez de papéis e adereços “físicos”, todos os elementos são “virtuais”. E da mesma forma que vamos nas lojas e compramos nosso material pela internet, existem lojas virtuais especializadas em scrap digital, como podem ser o Armazém Criativo, DigiScrappersBrasil e a After Five Designs, por citar algumas. Nelas você encontra diversos kits, que funcionam que nem as coleções “reais”: papéis lisos, decorados, vários elementos combinando e que giram em torno de um tema central. E em vez de marcas, tais como American Crafts, Making Memories e Prima, temos as designers, que são as pessoas que criam esses kits fabulosos!!

O scrap híbrido, então, nada mais é do que usar esses kits digitais no scrap nosso de cada dia. Ou seja, imprimir os elementos no tamanho exato em que vamos usá-los e deixar rolar a criatividade!! Quem acompanha o blog sabe que recentemente fiz parte do time híbrido do Armazém Criativo e agora estou no CT da Sugary Fancy, também trabalhando com híbrido. Hoje a Ana Nogueira, que está por trás do sucesso da Sugary Fancy, está lançando um novo kit chamado “So Tweet“, já disponível na loja dela e com super desconto até domingo, dia 27. Aproveitando o lançamento e para participar do movimento #sextacriativa do Assim, sim!, preparei um passo-a-passo pra mostrar pra vocês como é trabalhar com híbrido.
A primeira coisa é idealizar o que vamos fazer, porque precisamos imprimir os elementos no tamanho certo pra que não fique nada muito pequeno nem muito grande. Minha idéia foi fazer um mini-álbum de envelopes, tipo sanfona, com espaço pra guardar pequenas notas aproveitando cada “página”. Para isso, separei seis envelopes de cores diferentes, mas isso fica a critério de cada um. Lembrem-se apenas de escolher as cores dos envelopes de acordo com as cores dos elementos do kit!
Depois, é só tirar medidas, olhar bem para todos os elementos e imaginar o quê vai aonde, porque esse é o passo mais importante: redimensionar os elementos e colocá-los em uma única página para impressão. Para isso é necessário usar um programa de edição de imagens. Eu trabalho com o Photoshop, mas existem muitos outros e a escolha do programa é algo muito pessoal. Salvo o arquivo em formato JPG (foto), depois imprimo e recorto.
Agora vamos montar o mini-álbum. Para isso, basta colar a aba de um envelope no corpo do seguinte, deixando a aba do segundo envelope para o lado contrário da aba do primeiro (uma pra cima e a outra pra baixo), dessa forma:
E agora a parte mais legal: decorar!!
Algumas dicas:
Printables: Se você achou isso de montar os elementos na página algo um pouco complicado, você vai adorar saber que existem páginas já prontas para impressão, os printables!! A Scrappiness já tem na lojinha printables de Natal: uma página no tamanho A4 com tags pra você colocar nos seus presentes, prontinha pra você imprimir quantas vezes quiser!! Olha que fofo….
Impressão: Para imprimir em casa você pode escolher o tipo e a cor de papel que preferir, desde que a gramatura não ultrapasse 220g, pois é o máximo que as impressoras caseiras suportam. Eu particularmente gosto de trabalhar com papel 180g quando estou imprimindo em casa, e uso muito o Filipaper (Vergê ou Diplomata) e o Canson. Já na gráfica, peço sempre o tamanho A3 (que corresponde a dois A4) no papel couchê 230g. É um pouco ruim pra recortar detalhes, porque é mais grosso, mas os elementos ficam mais firmes.
Gente, é isso. Espero que vocês tenham gostado do post e quem quiser ganhar esse printable de Natal, é só deixar um recadinho aqui até domingo dia 27. Segunda mando por e-mail, ok??
Beijos mil!!

Técnicas de Scrap # 6 – Furadores – Parte 2

Oi pessoal!! Como vocês sabem, os furadores sempre serão a eterna dúvida de quem faz artesanato. Comprar ou não comprar? Afinal, é um investimento que vale a pena? O furador é muito útil na hora de se conseguir uma grande quantidade de um mesmo desenho, do mesmo tamanho. É uma ferramenta de uso fácil e que poupa tempo quando se trata de padronização de formas. Essa semana troquei e-mails com a Sônia a respeito de furadores. Espero ter ajudado um pouquinho, mas fica aqui mais algumas dicas pra todo mundo, e fotos!

Quando eu uso um furador, geralmente vou cortando o papel de maneira ordenada e uniforme, para economizar a folha e conseguir o maior número possível de figuras. Para isso, uso o furador aberto de cabeça para baixo (com a faca para cima e a alavanca para baixo). Assim, posso ver exatamente onde estou cortando e aproveitar o papel ao máximo. O inconveniente dessa posição é que tem que fazer um pouco mais de força, porque não há apoio e a mão fica “voando”. E quando quero somente uma ou duas formas de algum papel, utilizo as sobras de folhas já cortadas (guardo todas!)

Para fazer essas tags bonitinhas enfeitadas em volta, você vai precisar de dois tamanhos diferentes de furador, um scallop (maior) e outro normal liso (menor). Uma vez cortadas as formas, é só colar a menor por cima da maior para dar um efeito rendado. Normalmente uma diferença de 1/2 polegada é suficiente para um efeito bonito, e você deve usar papéis de cores diferentes para contrastar.
 
Caso você queira só a rendinha com o centro vazado, você tem que cortar primeiro a forma lisa e no buraco que ficou, centralizar o scallop (em um tamanho maior) e cortar. Mas pra fazer em quantidade, é mais fácil cortar de uma vez um monte de lisos e depois um monte de scallop, e então colar o liso em cima do scallop, como mostrei antes.  Dá pra usar com formas circulares, ovais, quadradas ou retangulares. Para este post, utilizei furadores ovais: o liso de 2 polegadas e o scallop de 2 e 1/2 polegadas, da Marvy Uchida.

Pra você se situar, os furadores importados costumam seguir um padrão de cores e tamanhos:
- laranja: 3/4 de polegada
- verde: 1 polegada
- amarelo: 1 e 1/2 polegada
- azul: 2 polegadas
- rosa: 2 e 1/2 polegadas
- lilás: 3 polegadas
Uma polegada equivale a 2,54 cm.
Os da TEC não tenho todos muito bem controlados, mas sei que o Gigante é de 1 e 1/2 polegada e o Extra Gigante é de 2 polegadas.
Então, na hora de investir em furadores, é melhor saber primeiro pra que tipo de trabalho ele será útil, escolher o melhor tamanho e começar a diversão! Com certeza você vai se apaixonar!! E se quiser saber um pouquinho mais sobre furadores, dá uma olhadinha nesse post aqui.
Para não perder nenhuma novidade, siga-nos no Twitter @scrappiness e no Face!! 
Um beijo, e ótimo fim de semana!!
Talking about punches once more and the whole new world that will open right in front of you with some of them in your hands!!
Lots of kisses, and enjoy it!!

Técnicas de Scrap # 5 – Distress Ink com Emboss

Oi gente!! Estou completamente apaixonada pelas Distress Inks do Tim Holtz!! É incrível a quantidade de coisas que dá pra fazer com elas, as cores são lindas e os efeitos surpreendentes!! Vou mostrar pra vocês como fazer um fundo super original.
Como a Distress Ink é à base d’água, dá pra criar efeitos lindos borrifando água diretamente no trabalho ou em uma superfície onde a gente aplica a carimbeira e depois esfrega o papel. Difícil de visualizar?!?? Então vem comigo!!

Você vai precisar de um carimbo para fazer o desenho do fundo (eu usei um da Prima que vai chegar na lojinha semana que vem!), carimbeira branca, pó para emboss branco…
… folha de acetato (pode ser transparência), uma ou mais cores da Distress Ink e Spray Colors da True Colors. Eu usei o Spray Colors porque ele tem um brilho que no final aparece no trabalho, mas dá pra usar só a Distress Ink em várias cores.
Carimbe o desenho escolhido em um cardstock branco (papel 180g), aplique o pó para emboss, retire o excesso e aqueça. Vai ficar assim:
Carimbe com a carimbeira diretamente sobre a transparência…
 .
.. e misture o Spray Colors, borrifando água logo depois. Eu fiz cada cor por separado:
 
 
Agora, aplique o papel branco com a parte do emboss para baixo e esfregue. Levante de vez em quando para ver onde falta tinta e continue aplicando o papel na tinta até que o resultado esteja de seu agrado.
Agora é só esperar secar! Também dá pra secar com o aquecedor de emboss, o efeito fica mais bacana porque o ar vai “empurrando” a tinta ainda molhada deixando tudo muito misturado! Só toma cuidado para não queimar os dedos!! E esse é o resultado, ideal para aplicar em LOs e cartões.
É de se apaixonar, né?? E se você quiser saber um pouquinho mais do que dá pra fazer com a Distress Ink, dá uma olhadinha nesse vídeo do Tim Holtz. Existem MUITOS outros no YouTube, divirtam-se!!!
E para não perder nenhuma novidade, siga-nos no Twitter @scrappiness e no Face!! 
Muitos beijos, até a próxima!!
Hello beautiful people!! I’m completely in love with Tim Holtz Distress Ink and ALL his videos, I spend hours watching him and trying to put everything on practice (I wish I had a 50-hours day!!) It’s so much information!! Today I pick this emboss technic to share with you, I hope you enjoy the step-by-step. But go visit him at YouTube, it’s a worthwhile tour!!
Hugs and kisses!!

Técnicas de Scrap # 4 – Furadores

O que dizer sobre eles? Na minha opinião, os furadores são ferramentas imprescindíveis na hora de fazer scrap, se você não quer perder muito tempo recortando uma forma e ainda obter um acabamento perfeito. O problema é que são muito caros, apesar de valerem cada centavo do investimento. Eu não tenho muitos, corto a maioria das formas geométricas que preciso com a Slice, mas confesso que compro um sempre que posso e vou continuar fazendo isso. Mas na hora de escolher, prefiro aqueles que possam ser usados de várias maneiras e para muitas finalidades. Formas muito específicas e de tamanho fixo (esse é o maior problema de um furador) acabam limitando.

Os furadores de borda são um ótimo investimento, porque uma borda decorada pode ser utilizada tanto em LOs quanto em cartões. E o efeito é lindo!!

Combinar uma mesma forma geométrica com seu correspondente scalloped é um recurso básico que eu simplesmente adoro. Vale a pena investir nos círculos, porque ninguém merece cortar um com a tesoura!! Para o quadrado, não troco meu scalloped por nada, porque a parte de dentro obviamente posso cortar com o estilete. Os retângulos também são legais, mas esses eu não tenho.

E como falar em furadores sem mencionar o punch art, que é a técnica de criar figuras usando furadores quase que exclusivamente. Comecei a aprender com a Sandra Shimizu, que para mim é uma sumidade em punch art. Eu babo com o trabalho dela, a visão que ela tem das formas, como consegue transformar uma flor de 6 pétalas nos mais diversos detalhes de um personagem. Eu não uso muito punch art no dia-a-dia, mas fiz o PAP de um palhacinho que usei em um LO e gostei muito do resultado.

Seja qual for o trabalho que você estiver fazendo, transformá-lo com um furador sempre será uma boa idéia!!
E pra saber um pouquinho mais sobre furadores, não deixe de conferir o post Furadores – Parte 2
E para não perder nenhuma novidade, siga-nos no Twitter @scrappiness e no Face!!  
Beijinhos pra todos!!
Talking about punches and the whole new world that will open right in front of you with some of them in your hands!!
Lots of kisses, and enjoy it!!

Técnicas de Scrap #3 – Relevo quente (hot emboss)

Oi gente!
Continuando a febre de carimbar e carimbar, hoje vou falar um pouquinho sobre o relevo quente, ou hot emboss. Como o nome diz, a maravilha da coisa é você obter um relevo utilizando calor, na forma do carimbo que você escolher. Para utilizar essa técnica você vai precisar de:
- Carimbo: o de sua preferência, lembrando que o que for carimbado vai ficar em relevo.
- Carimbeira: não serve as de secagem rápída, porque você precisa jogar o pó em cima da superfície que foi carimbada e ele só vai grudar onde tiver tinta (se já tiver secado, não gruda!) Existe uma carimbeira transparente muito utilizada para emboss, porque não mistura com a cor do pó. Como eu não tenho essa carimbeira, utilizo a mesma cor que escolhi para o pó, assim fica tudo de uma cor só.
- Pó para emboss (embossing powder): é o que se coloca em cima da superfície carimbada. Existem vários tipos, dependendo do efeito que você quer obter. Depois de alguns segundos é só retirar o excesso e aquecer com o…
- Aquecedor para emboss: não serve o secador de cabelo, acreditem! – eu testei…  ;)   Eu gosto de aplicar primeiro por debaixo da superfície carimbada, para não espalhar o pó. Sempre em movimentos circulares ou de vai-e-vem para não queimar o papel (também já queimei, fica torradinho MESMO!!) E depois em cima para finalizar.
Eu tenho três tipos de pós para emboss: esse da American Crafts, que é muito legal, tem de vária cores inclusive metálicas, e que literalmente derrete formando um relevo uniforme.
Esse do Tim Holz, da Ranger, que é para distressar, ou seja, você faz o emboss igualzinho que sempre, só que depois que esfria, se esfrega suavemente com o dedo para espalhar os cristais que ficam na superfície. O efeito é lindo!
E esse Perfect Pearls, da Ranger também, que forma uma película perolada na superfície carimbada. Na verdade não forma relevo, mas fica parecendo que se usou uma carimbeira metálica. É um detalhe e tanto!
Escolhi um carimbo da Goodies que eu adoro e carimbei na cor branca para poder usar o pó branco.
Uma dica da Mila lá do Paraíso é usar talco na hora de fazer o emboss, para que o pó fixe somente na tinta da carimbeira e não suje em volta. Eu quis fazer aqui para mostrar que funciona inclusive quando se usa um papel escuro. Mas esse truque não serve se o pó escolhido é o distress, porque senão os cristais vão todos embora na hora de limpar o talco, e o que se quer nesse caso é justamente esfumaçar em volta!
Aqui é como fica a carimbada em cima do talco:
Agora se aplica o pó generosamente:
Depois de retirar o excesso, fica assim:
Depois de aquecer, fica assim:
E depois de limpar o talco com um paninho seco, fica assim:
Daí é só finalizar! Dá pra fazer tags, aplicar diretamente nas páginas… Mil e uma utilidades!
E por hoje é só.
Mas para não perder nenhuma novidade, siga-nos no Twitter @scrappiness e no Face!!  
Até a próxima!

Técnicas de Scrap #2 – Carimbeiras

Gente, esse negócio de carimbo vicia!! É tanta coisa que você pode fazer com um carimbo e uma carimbeira que o assunto vai render vários posts. Quanto mais eu penso e vou experimentando, mais coisas eu descubro! E um pouquinho disso vai ficar aqui pra vocês…

Existem muitos tipos de carimbeiras e cada uma delas é melhor para uma ou outra técnica. Porque além de carimbar, você pode usar a carimbeira para distressar, colorir, emendar um emboss na carimbada… Enfim, tudo ao gosto do freguês. Aqui estão algumas das carimbeiras que eu utilizo, mas existem muitas outras que ainda não experimentei.
A Pretty Color é o que se pode chamar de marca nacional, é bem mais barata que as importadas e é comercializada pela TEC. Tem de várias cores e eu gosto muito de usá-las para distressar bordas e “sujar” as páginas, porque são muito práticas de segurar quando não se precisa de muita precisão. Também uso muito para o relevo quente (hot emboss – falo sobre isso outro dia!) porque demoram um pouquinho pra secar. A opção de “lápis” é legal pra marcar detalhes e misturar cores, em vez de carimbar em uma cor só e colorir depois (com lápis de cor aquarelável, por exemplo).
A caixinha quadradinha ao lado é da We R Memory Keepers e a verdade é que são pouco práticas, mas só descobri isso depois de ter comprado 3 de uma vez em uma importação que fiz. A carimbeira é legal, as cores são lindas, mas o sistema de prender a almofadinha é que deixa muito à desejar, porque solta muito fácil. A idéia é boa: utilizar o quadrado maior como bloco de acrílico (reparem que vem até com as marcações!), mas as carimbeiras não ficam presas e transportar na mão é praticamente impossível.
Essas a seguir são um luxo, as rainhas das carimbeiras, e valem cada centavo pago. A Distress Ink é da Ranger, uma marca excelente, e como seu nome indica é usada para distressar ou criar um efeito de “usado” no carimbo. Além disso, é uma carimbeira à base de água e pode ser usada dessa forma para criar efeitos incríveis no papel. A StazOn é da Tsukineko, japonesa, de secagem altamente rápida, com um acabamento perfeito e que pode ser aplicada em plástico, metal, vidro, cerâmica, couro e, claro, papel. Precisa dizer mais?
Essas gotinhas são apaixonantes, não só pela gama de cores, mas porque são hiper-práticas de segurar. E com a ponta, dá pra aplicar em detalhes. Gosto de usar pra fazer relevo quente (hot emboss), e também são da Tsukineko.
 Mas vamos ao que interessa: carimbar! Adoro colorir esse buquê de flores com as carimbeiras-lápis da Pretty Colors. Para a palavra, escolhi a carimbeira de gota na cor vermelha. Desculpem a foto terrível, foi a última antes de acabar a pilha da máquina ontem à noite…
 E esse jogo de carimbos também é bem legal, escolhi uma cor pastel para o fundo, para um efeito esfumaçado…
… e depois apliquei a StazOn no desenho, para um acabamento perfeito!
 E esse foi o resultado! Notem que o buquê ainda pode ser “preenchido” depois com lápis de cor aquarelável, o efeito fica lindo! Mas isso vou deixar pra Rosana porque…
 … semana passada as meninas lá do Five Bees fizeram uma proposta bem diferente: troca de carimbadas! E aqui um pouquinho do que minha dupla, a Rosana, vai receber!
E agora alguns detalhes:
Carimbando – Aplicar a carimbeira sempre com “pancadinhas”, apertando a cada vez pra deixar a tinta. Se você esfregar a carimbeira no carimbo, a tinta não fica uniforme e isso se nota muito quando o carimbo tem uma área considerável (como as borboletas cheinhas da foto acima).
Usando as carimbeiras – Lembrar de tampar sempre entre uma carimbada e outra, porque carimbeira aberta é carimbeira seca! Fora que existe sempre o risco de sujar papéis e outros materiais que eventualmente “pousem” sobre uma carimbeira aberta…
Limpando os carimbos - Eu uso lencinhos umedecidos Baby Wipes logo depois de usar o carimbo e recomendo, principalmente se vou utilizar o mesmo carimbo para carimbar de novo com uma nova cor. E faço isso SEMPRE imediatamente depois de usar a StazOn, porque como sua secagem é ultra-rápida, essa carimbeira costuma manchar o carimbo e depois já era! No final do trabalho, lavo todos os carimbos com água e sabão, passando uma escovinha pra tirar todos os resíduos de tinta.
Guardando as carimbeiras – De cabeça pra baixo, pra superfície ficar sempre umedecida e a tinta espalhar bem sobre o carimbo quando for usar.
Por hoje é só, pessoal.
Para não perder nenhuma novidade, siga-nos no Twitter @scrappiness e no Face!! 
Até a próxima!

Técnicas de Scrap #1 – Carimbos

Oi pessoas!!
Sempre que possível, vou tentar trazer algumas dicas sobre o que vou descobrindo nesse mundo de infinitas técnicas e criatividade sem fim, as coisas que eu gosto mais, o que eu não gosto tanto… E como uma das minhas paixões é sem dúvida CARIMBOS, escolhi esse tema para começar. Carimbos são versáteis, podem ser usados em todos os lugares, sem limites, e para projetos pequenos, como cartões e mini-álbuns, seu uso faz toda a diferença!

Existem vários tipos de carimbos no mercado: os tradicionais com base de madeira (como esse da American Crafts), inovadores com base de acrílico (o da foto é da Goodies), os de borracha sem base, para serem usados com bloco de acrílico (o meu é da Teresa Collins) e os clear, transparentes, que também são utilizados com blocos de acrílico (esse é da Imaginisce).
Os carimbos clear são muito fáceis de usar. Eles vem em uma espécie de sanduiche de folhas de acetato, com o desenho para facilitar a visualização. E é bom que sejam guardados dessa forma para não ressecar. Eles são bem maleáveis, daí é so desprender do acetato e colar no bloco de acrílico. São auto-colantes, viu? E os de borracha funcionam da mesma forma.
Agora é só escolher a cor da carimbeira, besuntar o carimbo e aplicar no papel. Eu não me dei muito bem com os blocos de acrílico, um lado do carimbo sempre ficava falhado, acho que eu não conseguia distribuir a pressão por igual. Outra coisa que acontecia sempre é que ao passar a carimbeira, algumas beiradas ficavam manchadas e acabavam sujando o trabalho. Até que encontrei esse suporte da Fiskars, que eu recomendo MUITO! O carimbo é colocado da mesma forma que no bloco de acrílico, mas ao apertar os pés de espuma, eles descem ao mesmo tempo e não há perigo de manchar em volta do desenho! Uma vez apertado, pressiono bem onde está o carimbo para que a tinta se distribua por igual, e fica perfeito!
Aqui alguns trabalhos utilizando carimbos: cartão (post abaixo) e LO com carimbos aplicados em todo background (Play, da We R memory Keepers). Uma dica legal: para fazer esse background, posicionei os carimbos do kit no suporte da Fiskars e fui carimbando na página em várias posições, sem mover os carimbos no suporte! O efeito é aleatório, mas é muito mais fácil do que ficar carimbando um por um.
Espero que tenham gostado, no próximo post vou falar sobre as carimbeiras.
E para não perder nenhuma novidade, siga-nos no Twitter @scrappiness e no Face!! 
Um beijo, e um ótimo jogo pra gente amanhã!!